sexta-feira, 5 de novembro de 2010

MAESTRO Marcelo de Jesus


Nascido em São Paulo, Marcelo de Jesus graduou-se em composição e regência, e piano pela UNESP. Estudou regência com os maestros Juan Serrano, Lutero Rodrigues, Ronaldo Bologna,e posteriormente com Karl Martin; composição com H. J. Kollrëuter e Edmundo Villani; piano com Pietro Maranca, Homero Magalhães e na Itália com Carmella Pistillo (Academia Santa Cecília-Roma).
De 1995 a 2000, atuou frequentemente como pianista na série Vesperais Líricas e como maestro interno nas produções operísticas no Teatro Municipal de São Paulo. Em 1998, foi recitalista ao piano na sala de concertos da embaixada brasileira em Roma.
Trabalhou como pianista e maestro assistente dos maestros Luiz Fernando Malheiro, Isaac Karabtchevsky, Karl Martin, Siegfried Köhler, Sílvio Barbato, Jamil Maluf, Abel Rocha e Luis Gustavo Petri; e com vários cantores como Eva Marton, Aprille Milo, Renato Bruson; Enzo Dara, Justino Dias e Dennis O"Neil, entre outros.
No SESC-Ipiranga-SP desenvolveu vários trabalhos da série pocket-ópera, como pianista, maestro assistente e diretor musical. Entre eles, o espetáculo NxW com direção cênica de Gerald Thomas. Desde 1999, é diretor artístico adjunto do Festival Amazonas de Ópera, em Manaus, onde, em 2001, estreou como diretor musical e regente com a ópera A flauta mágica de Mozart. Ainda em 2001, foi assistente da direção musical das óperas: La traviata com regência do maestro Sílvio Barbato; Candide com regência do maestro Luís Gustavo Petri; e escreveu as variações e cadências de La Sonnambula com regência do maestro Luiz Fernando Malheiro; em 2002 na ópera Turandot; todas no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, onde ocupava o cargo de diretor musical assistente.
Obteve grande sucesso de público e crítica com “Don Giovanni” no VI Festival Amazonas de Ópera-2002, sendo considerado maestro-revelação pela revista Bravo.
Atualmente reside em Manaus, assumiu o cargo de Regente Titular da Orquestra de Câmara do Amazonas, que em 2003 fez sua estréia no VII Festival Amazonas de Ópera com a ópera La Cenerentola de Rossini.
A OCA participou do II Festival de Inverno do Rio de Janeiro(2004) e da Série “Memorial Sinfônico” em São Paulo(2007). Em 2004, dentro do VIII Festival Amazonas de Ópera dirige vários espetáculos como: Norma, Stabat Mater e Pierrot Lunaire. Neste mesmo ano é nomeado Maestro Adjunto da Amazonas Filarmônica, participando efetivamente dos concertos da “Série Guaraná 2004 - 2008”.
Em 2005, regeu Zap, o resumo da ópera de Marcelo Tas; Pedro Malazarte de Camargo Guarnieri e O Barbeiro de Sevilha dentro do IX Festival Amazonas de Ópera. Na “Temporada 2005 de Ópera da Colômbia” regeu O Barbeiro de Sevilha no Teatro Colon de Bogotá, onde retornou em 2006 para reger a ópera Don Giovanni, dentro das comemorações de aniversário dos 250 anos do nascimento do compositor W. Amadeus Mozart. Neste mesmo ano regeu, dentro X Festival Amazonas de Ópera, Gianni Schicchi de Puccini e a estréia brasileira da ópera “Otello” de Rossini. Em 2007, regeu a estréia mundial da ópera Poranduba de Edmundo Villani, o Concerto em Memória de Maria Callas com Eliane Coelho e Luciana Bueno e a Sagração da Primavera de Stravinsky, todos no XII FAO.
Em 2008, assumiu o cargo de Maestro Adjunto da Orquestra Experimental da Amazonas Filarmônica, regendo a ópera “Maroquinhas Fru-Fru” de Ernst Mahle, no concerto inaugural dentro do XIII FAO. Ainda no XIII FAO, regeu o concerto BarrOCA e a ópera Turandot, de Puccini, no Largo São Sebastião, ao lado do Teatro Amazonas, para um público estimado em trinta mil pessoas.

Um comentário:

  1. Parabéns Maestro Marcelo. Sua apreentação hoje no Teatro Manaus foi uma demonstração de muito conhecimento,capacidade e talento. Obrigado pela apresentação.
    Marcilio Andrade,BH, MG

    ResponderExcluir